Eclusa

Inaugurada em 1973, foi a primeira eclusa a entrar em operação na América Latina e possui características similares às existentes no canal do Panamá.

Esta eclusa, assim como as demais no decorrer da hidrovia Tietê-Paraná, foi construída simultânea à barragem da usina hidrelétrica, a qual trabalha com o conceito de aproveitamento múltiplo das águas, abastecendo com energia e ao mesmo tempo, permitindo a navegação, irrigação, turismo fluvial, esportes náuticos e lazer.

Com a construção das eclusas, o Rio Tietê tornou-se navegável desde a região de Conchas até a sua foz no rio Paraná, sendo utilizado para o turismo e transporte de cargas, como milho, soja, cana de açúcar, álcool, calcário, etc.

A Eclusa de Barra Bonita é do tipo padrão do médio Tietê, com 147m de comprimento, 12m de largura e 26m de desnível, comporta 3 embarcações de turismo simultaneamente.
As eclusas são basicamente enormes câmaras que ao encherem-se de água, elevam as embarcações e as abaixam ao esvaziarem-se. O processo de eclusagem usa exclusivamente a força da gravidade para o seu funcionamento.

Assista aqui a uma eclusagem do Xumbury: